Dogo Canário

APARÊNCIA GERAL: Cão molossóide, de tamanho médio a grande, de perfil retilíneo e máscara preta. Robusto e bem proporcionado.
 

Personalidade: Atento, equilibrado e obediente.
 

Nível de energia: Muito Ativo. 
 

Bom com crianças: Sim.

 

Bom com outros cães: Com supervisão.

 

Grooming: Sazonal.

 

Expectativa de vida: 09-11 anos.

Nível de latido: Late quando necessário.

  • RESUMO HISTÓRICO 

Cão molossóide originário das Ilhas Tenerife e Grande Canária, no arquipélago Canário. Surgiu como resultado do cruzamento entre o “majorero”, cão pastor pré-hispânico oriundo das ilhas e cães molossóides que chegaram ao arquipélago. Estes cruzamentos originaram um agrupamento étnico de cães do tipo dogo, de tamanho médio a grande, de cor tigrado ou fulvo e manchados de branco, de morfologia robusta, própria de um cão molosso, porém com agilidade e força, de bom temperamento, rústico e de caráter ativo e fiel. Durante os séculos 16 e 17 sua população aumentou consideravelmente, existindo numerosas referências nos textos históricos anteriores à conquista e sobretudo aos “Cedularios del Cabildo”, nos quais se explicam as funções que realizavam, especialmente como guardiões e no cuidado dos rebanhos bovinos.

País de Origem: Espanha.

COMPORTAMENTO E TEMPERAMENTO: Olhar calmo, expressão atenta. É especialmente adequado como cão de guarda e tradicionalmente utilizado para cuidar do gado. Seu temperamento é equilibrado e muito seguro de si mesmo. Latido baixo e profundo. Obediente e dócil com os membros da família, muito devoto ao seu dono, mas pode ser reservado com estranhos. Atitude confiante, nobre e um pouco distante. Quando está alerta, sua postura é firme, com atitude alerta.

CABEÇA: Maciça, braquicefálica e de aparência compacta, coberta de pele grossa. Sua forma tende a ser um cubo levemente alongado. As linhas crânio-faciais são paralelas ou levemente convergentes.

  • REGIÃO CRANIANA 
     

Crânio: Ligeiramente convexo em sentido antero-posterior e transversal. O osso frontal tende a ser plano. Sua largura é quase idêntica ao seu comprimento. Os arcos zigomáticos são pronunciados, com os músculos das bochechas e mandíbulas bem desenvolvidos, mas não proeminentes, cobertos por pele solta. Crista occipital só levemente marcada.
 

Stop: É definido, mas não abrupto. O sulco entre os lobos frontais é bem definido e de aproximadamente 2/3 do tamanho do crânio.
 

  • REGIÃO FACIAL

 

Trufa: Larga e fortemente pigmentada de preto. Ela esta colocada na mesma linha da cana nasal. Fossas nasais grandes para facilitar a respiração.

 

Focinho: Mais curto que o crânio, sendo, no geral, aproximadamente 40% do comprimento total da cabeça. Sua largura é de 2/3 da largura do crânio. Sua base é bem larga, afinando levemente até a trufa. A cana nasal é plana e reta, sem sulcos.

 

Lábios: Os lábios superiores são pendurados, ainda que sem excesso. Vistos de frente, os lábios superior e inferior se unem, formando um “V” invertido. Bordos labiais ligeiramente divergentes. O interior dos lábios é de cor escura.

 

Maxilares e Dentes: Mordedura em tesoura ou levemente prognata, sendo em no máximo 2 mm. Admite-se a mordedura em torquês, embora não desejada devido ao desgaste dentário que provoca. Os caninos apresentam ampla distância transversal. Os dentes são largos, com fortes bases de implantação. Molares grandes, incisivos pequenos e caninos bem desenvolvidos.

 

Olhos: Ligeiramente ovalados, de tamanho médio a grande. Colocados bem separados, mas nunca profundos ou protuberantes. Pálpebras pretas e bem aderentes, nunca caídas. A cor varia do castanho escuro ao médio, de acordo com a cor da pelagem. Nunca devem ser claros.

 

Orelhas: De tamanho médio, bem separadas, de pelo curto e fino. Caem naturalmente em ambos os lados da cabeça. Se dobradas, são em forma de rosa. Sua inserção é ligeiramente acima da linha dos olhos. Orelhas com inserções muito altas ou muito juntas se consideram atípicas. Nos países onde a amputação é permitida, devem ser eretas.

 

PESCOÇO: Mais curto que o comprimento total da cabeça. A pele na sua parte inferior é solta, formando uma leve barbela. Sólido e reto, tendendo a ser a cilíndrico e musculoso. 

 

  • TRONCO: Comprido, largo e profundo.

 

Linha superior: Reta, sem deformações, sustentada por uma musculatura bem desenvolvida, porém, pouco visível. Ligeiramente ascendente desde a cernelha até a garupa. A altura na garupa é 1 - 2 cm maior que a altura na cernelha.

 

Garupa: Comprimento médio, larga e arredondada. Não deve ser longa porque limitaria sua movimentação. Nas fêmeas, normalmente, é mais larga.

 

Peito: De grande amplitude e com músculos peitorais bem definidos. Visto tanto de frente quanto de perfil, deve estar bem descido, pelo menos até o nível dos cotovelos. O perímetro torácico é normalmente igual à altura na cernelha mais 45% desta. Costelas bem arqueadas.

 

Linha inferior e ventre: Ligeiramente recolhida e nunca em linha descendente. Os flancos só levemente pronunciados.

 

CAUDA: Grossa na base, afinando-se até a ponta e não deve ultrapassar o jarrete. De inserção média. Em ação eleva-se, em forma de sabre, mas sem encurvar-se ou apoiar-se sobre o dorso. Em repouso é reta, com uma ligeira curvatura na ponta.

 

  • MEMBROS

 

ANTERIORES

 

Ombros: Com boa inclinação.

 

Braços: Bem angulados, oblíquos.

 

Antebraços: Bem balanceados, retos. Ossos fortes e com boa musculatura.

 

Cotovelos: Nem muito aderentes às costelas, nem muito afastados.

 

Metacarpos: Muito sólidos e ligeiramente inclinados.

 

Patas: “Pés de gatos” com dedos arredondados, não muito juntos. As almofadas plantares são muito bem desenvolvidas e pretas. As unhas são escuras. As unhas brancas não são desejadas, ainda que possam aparecer em função da cor da pelagem.

 

POSTERIORES: Vistos por trás, fortes e paralelos, sem desvios. 
 

Coxas: Longas e bem musculosas.

 

Joelhos: A angulação não é muito pronunciada, mas não deve ser insuficiente.

 

Metatarsos: Sempre bem descidos.

 

Patas: Ligeiramente mais longas que as anteriores e com características similares.

 

  • MOVIMENTAÇÃO: Durante o movimento, o Presa Canário é ágil e elástico, cobrindo bem o solo. Passo longo. A cauda é portada baixa e a cabeça é elevada apenas levemente por sobre o nível do dorso. Quando em atenção, a cauda e a cabeça são portadas alto.

 

PELE: Grossa e elástica. Mais solta sobre e ao redor do pescoço. Quando em atenção, a pele sobre a cabeça forma pregas simétricas que se moldam desde o sulco entre os lobos frontais.

 

  • PELAGEM

 

Pelo: Curto, áspero, liso, sem subpelo (pode aparecer sobre o pescoço e na parte posterior das coxas; um tanto mais áspero ao toque). Muito curto e fino nas orelhas; ligeiramente mais longo na cernelha e na parte posterior das coxas.

 

COR: Tigrado em todos os tons, desde um marrom escuro até um cinza claro ou vermelho. Todos os tons de tigrado até cor de areia. Aceitam-se marcas brancas sobre o peito, na base do pescoço ou na garganta, nas patas anteriores e dedos das patas posteriores, mas este deve ser mínimo. Máscara sempre preta, mas sem ultrapassar o nível dos olhos.

 

TAMANHO: Altura na cernelha: Machos: 60 a 66 cm Fêmeas: 56 a 62 cm. Em casos de exemplares muito típicos, admitir-se-á 2 cm de tolerância acima ou abaixo dos limites.

 

PESO: Machos: 50kg Peso máximo: Machos: 65 kg. Fêmeas: 40 kg Fêmeas: 55 kg.

  • FALTAS 

Qualquer desvio em relação a este padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão. 

FALTAS DESQUALIFICANTES

 

• Agressividade ou timidez excessiva.

• Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

• Cães atípicos.

Reconhecimento Internacional:

Entidade sem fins lucrativos

CNPJ 26.249.262/0001-88

centralotima.png
  • Grey Facebook Icon
  • Veja

Patrocinadores: