Veadeiro Nacional

  • RESUMO HISTÓRICO 
     

Veadeiro Nacional é a raça colonial brasileira de caça, sobretudo ao veado, animal muito comum no Brasil outrora e hoje raro em algumas regiões. A raça é nativa do Sudeste e Cento-Oeste, mas, também pode ser encontrada em algumas regiões do Nordeste, Norte e Sul do Brasil. Sua origem data provavelmente da chegada dos primeiros europeus em solo brasileiro no século XVI.  Uma forte linha sobre sua provável origem acredita que ao perceber a grande quantidade de cervos de diversas espécies, o colonizador europeu sentiu a necessidade de importar da Europa cães veadeiros ibéricos que logo foram cruzados com os cães aqui já existentes, trazidos pelos pioneiros portugueses e franceses, que também já haviam acasalado seus animais com o intuito de aclimatação, com os cães primitivos, utilizados na caça pelos ameríndios tupis e tapuias ha milênios. Os acasalamentos empíricos voltados para à caça, durante séculos, mesclando diversas raças caninas: galgos, podengos, sabujos, bracos, alanos e cães primitivos, indígenas, com predominância nestes cruzamentos de galgos e podengos, gerou um cão singular e imbatível na caça ao cervo, o Veadeiro Nacional. No século XX, mais pronunciadamente após a década de 80, sua criação declinou e a raça quase desapareceu, principalmente devido aos cruzamentos com cães da raça Fox Hound e a proibição da caça em território brasileiro. O Nacional é, provavelmente, a raça de cão mais antiga do Brasil. Hoje exemplares dessa raça brasileira estão sendo bem empregados na caça ao Javali, com relativo êxito, tendo em vista que para a modalidade citada uma agressividade moderada é benéfica e esta não se encontra no veadeiro nacional, que na caça ao cervo valia-se de sentidos comumente chamados pelos antigos caçadores de “esperteza”, não apresentando agressividade.​ 
 

País de Origem: Brasil.

APARÊNCIA GERAL: Forte e rústico. Alegre, vivaz e não agressivo. Possui excelente olfato e capacidade venatória acima da média. É muito resistente e persistente, corre durante horas em mau terreno e com muito calor. Dócil e leal. Ótimo caçador. 

COMPORTAMENTO E TEMPERAMENTO: É tranquilo e equilibrado; apegado a seu dono e reservado com os estranhos, autoconfiante, intrépido e dócil, sem ser tímido nem agressivo.

 

CABEÇA
 

  • REGIÃO CRANIANA 
     

Crânio: Mesatocéfalo, triangular, um pouco alongado.

Stop: Pouco acentuado.

  • REGIÃO FACIAL

 

Focinho: De comprimento longo, bem estruturado.

Trufa: Escura, harmoniosa com a pelagem, sem jaspeaduras, com trufa nasal levemente voltada para baixo.

Maxilares e Dentes: Mordedura em tesoura, com dentição completa (42 dentes).

Olhos: Escuros, amendoados e muito vivos.


Orelhas: Longas, de inserção baixa caindo além da base do pescoço, moles e com as pontas arredondadas, o comprimento quando tracionada sem esforço deve ultrapassar o centro do focinho, sendo ideal as orelhas que atingem a lateral da trufa e indesejáveis as que ultrapassem a ponta da trufa.

Contornos: Ocular, nasal e labial devem apresentar coloração escura.
 

PESCOÇO: Forte e com leve barbela.
 

  • TRONCO
     

Linha Superior: Bem definida.

Dorso: Longo, musculoso, reto e forte.
 

Cernelha: Alta e forte.

Lombo: Largo e forte.


Peito: Tórax amplo e profundo para alojar coração e pulmões de bom tamanho.

AntepeitoO antepeito não se estende muito à frente da ponta do ombro. A traseira é larga, forte e firme.

CAUDA: Em forma de sabre, sem desviar-se para os lados. Trazida baixa quando em repouso e em bandeira quando atento ou em movimento.

  • MEMBROS

 

ANTERIORES:  

Ombros: Ombros com ossos extremamente fortes, paralelos.

 

Patas: Patas largas e potentes, com solas resistentes e elásticas, unhas escuras ou claras.

Braços: Compridos.
 

POSTERIORES: Musculosos e de boa angulação,

Pernas: Bem desenvolvidas.

 

Jarretes: Firmes, com angulações simétricas e moderadas

 

Patas: Patas largas e potentes, com solas resistentes e elásticas, unhas escuras ou claras.

  • MOVIMENTAÇÃO: deve ser fluente, com boa cobertura de solo, com passadas amplas e balanceadas. Ao trote pode erguer a cauda acima da linha do dorso.
     

  • PELAGEM

Pelo: Pelo raso, acamado, curto, denso e um pouco duro ao tato. 

  • COR: Azulino, fundo branco todo manchado de azul, os membros anteriores e posteriores podem ser manchados de castanho (semelhante ao Bluetick e ao Bleu de Gascogne); fundo branco com grandes manchas de uma ou duas cores, pretas ou castanhas (semelhante ao Foxhound Americano e ao Walkerhound); cabeça, dorso, lombo e cauda pretos, peito, ventre e parte externa dos membros pardos (semelhante ao Black and Tan Coonhound).
     

TAMANHO: Machos - altura máxima: 65cm /altura mínima: 60cm
                      Fêmeas - altura máxima: 63cm /altura mínima: 56 cm
                     

  • FALTAS 

Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão. 

• Qualquer desproporção, característica exagerada que possa interferir com a atividade física ou habilidade para o trabalho.

• Orelhas curtas ou em forma de borboleta

• Cauda enrolada
• Ossos muito leves
• Falta de vivacidade
• Stop pronunciado
• Prognatismo e enognatismo
• Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou comportamental deve ser desqualificado

  • NOTAS

 

• Os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal.

• Somente os cães clinicamente e funcionalmente saudáveis e com conformação típica da raça deveriam ser usados para a reprodução.

Reconhecimento Internacional:

Entidade sem fins lucrativos

CNPJ 26.249.262/0001-88

  • Grey Facebook Icon
  • Veja

Patrocinadores:

centralotima.png