West Highland White Terrier

APARÊNCIA GERAL: Solidamente construído. Peito bem profundo, como também as últimas costelas. O dorso é reto. Posteriores possantes com membros bem musculosos comprovando, evidentemente, a magnífica combinação da força com ação.
 

Personalidade: Ativo, alerta e ágil.
 

Nível de energia: Muito Ativo. Este cão é ativo e enérgico, e precisa de exercícios diários. 
 

Bom com crianças: Sim.

 

Bom com outros cães: Com supervisão.

 

Grooming: Semanal.

 

Expectativa de vida: 12-15 anos.

Nível de latido: Alto.

  • RESUMO HISTÓRICO 

Oficialmente, as primeiras notícias sobre westies, datam do ano de 1500. Ano em que o Rei James I requisitou de Argyllshire, na Escócia, cães brancos da terra para enviar de presente ao Rei da França. Esses parecem ser os primeiros exemplares da raça das histórias oficiais.

Mais tarde, em 1830, uma pintura de Sir Edwin Landseer, chamada de Dignity and Impudence, que significa “Dignidade e impertinência” mostrou um pequeno cão de caça que se assemelha a um Westie – muito provavelmente o impertinente da cena.

Muitos terriers originaram-se na Grã-Bretanha, o que nos faz supor que eles vieram de ancestrais comuns, ou seja, oriundos de cruzamentos inter-raciais. Ainda nos anos de 1800, os criadores ingleses fizeram uma separação: cães de pelo áspero e pernas curtas provenientes da Escócia e cães de pelo macio e pernas longas, vindos da Inglaterra.

Mas, mesmo com essa separação, a raça West ainda não havia sido reconhecida: faziam parte do grupo cães de pernas curtas os Cairn, Scottish, Skye Terrier. Dessa forma, o cruzamento desses cães entre si era comum e aceito pelo Kennel Club Inglês.

País de Origem: Grã-Bretanha.

COMPORTAMENTO E TEMPERAMENTO: Pequeno, ativo, repleto de energia, rústico, dotado de uma boa dose de amor-próprio, com um ar maroto. Vivaz, alegre, corajoso, independente, mas afetuoso.

CABEÇA: A distância do occipital para os olhos deve ser ligeiramente maior que o comprimento do focinho. A cabeça é revestida de pelagem densa; portada de maneira a formar um ângulo reto ou agudo em relação ao eixo do pescoço. Além disso, ela não deve ser portada na extensão do mesmo.

  • REGIÃO CRANIANA 
     

Crânio: Crânio ligeiramente arqueado. Visto pela frente, apresenta um contorno homogêneo. O crânio, desde as orelhas até os olhos, apresenta um sutil afilamento.

 

Stop: Marcado; formado pelas arcadas superciliares pesadas e ossudas, situadas imediatamente acima dos olhos e ligeiramente de prumo com uma ligeira depressão entre os olhos.

 

  • REGIÃO FACIAL

 

Trufa: É preta, muito grande, e confere um perfil sem reentrâncias com o restante do focinho. A trufa não deve ficar projetada para frente.

 

Focinho: A cana nasal vai adelgaçando gradualmente dos olhos para a trufa. A cana nasal não é côncava nem cai bruscamente sob os olhos, onde é substanciosa.

 

Maxilares e Dentes: Maxilares fortes e nivelados. Tão amplos entre os caninos que se tornam compatíveis com a expressão marota almejada. Os dentes são grandes para o porte do cão e apresentam uma articulação em tesoura, isto é, os incisivos superiores recobrem os inferiores e são inseridos ortogonalmente aos maxilares.

 

Olhos: Inseridos bem separados, de tamanho médio, não salientes, tão escuros quanto possível e inseridos bem abaixo das grossas sobrancelhas, dando ao cão uma nítida expressão inteligente e penetrante. Olhos claros são altamente indesejáveis.

 

Orelhas: Pequenas, eretas, portadas firmemente e terminam pontiagudas. Nem muito afastadas, nem muito próximas. O pelo das orelhas é curto e liso (aveludado) e não deve ser aparado. As orelhas não devem ter qualquer franja na ponta. As orelhas redondas na ponta, largas, grandes ou grossas, como as revestidas de pelagem abundante, são altamente indesejáveis.

 

PESCOÇO: De comprimento suficiente para permitir o porte correto da cabeça; musculoso espessando gradualmente para a base permitindo fundir-se com os ombros bem oblíquos.

 

  • TRONCO: Compacto.

 

Dorso: Reto.

 

Lombo: Largo e forte.

 

Peito: Bem profundo, as costelas bem arqueadas na metade anterior, apresentando um aspecto lateral um tanto plano. As costelas posteriores têm uma profundidade considerável e a distância da última costela à garupa é tão curta quanto compatível com o livre movimento do tronco.

 

CAUDA: De comprimento de 13 a 15 cm, revestida de pelos ásperos, sem franjas, tão reta quanto possível, portada alta, mas sem ser alegre ou curvada sobre o dorso. A cauda longa é indesejável, mas de forma alguma poderá ser amputada.

 

  • MEMBROS

 

ANTERIORES

 

Ombros: Inclinados para trás. As escápulas são largas e bem amoldadas às paredes da caixa torácica. A articulação escápulo-umeral deve estar à frente.

 

Cotovelos: Bem ajustados para permitir o movimento bem fluente dos membros, paralelamente ao plano médio do tronco.

Antebraços: São curtos e musculosos, retos e revestidos de pelagem curta, dura e densa. 

 

Patas: Maiores que as patas traseiras; redondas, de tamanho proporcional, fortes, densamente acolchoadas e cobertas por pelagem curta e dura. A sola dos coxins e as unhas devem ser preferencialmente pretas.

 

POSTERIORES

 

Aparência geral: Fortes, musculosos e largos, vistos de cima. Os membros são curtos, musculosos e vigorosos.

 

Coxas: Muito musculosas e não muito afastadas.

 

Joelhos: Bem angulados.

 

Jarretes: Angulados e bem posicionados sob o tronco de maneira a ficarem moderadamente próximos um do outro, quer o cão esteja em “stay” ou em movimento. Os jarretes retos (sem angulação) ou fracos são altamente indesejáveis.

 

Patas: Menores que as anteriores e densamente acolchoadas; redondas, de tamanho proporcional, fortes, densamente acolchoadas e cobertas por pelagem curta e dura. A sola dos coxins e as unhas devem ser preferencialmente pretas.

 

  • MOVIMENTAÇÃO: Livre, reta e fluente em todas as direções. Na frente, os anteriores trabalham livremente estendidos para frente desde os ombros. Nos posteriores, a movimentação é livre, vigorosa e compacta. Os joelhos e jarretes são bem flexionados e os jarretes trabalham sob o corpo promovendo boa propulsão. Uma movimentação travada (rígida) ou afetada nos posteriores e jarretes de vaca é altamente indesejável.

 

PELE: Livre de problemas de pele.

  • PELAGEM

 

Pelo: Pelagem dupla. O pelo é duro, de comprimento em torno de 5 cm, sem qualquer cacho. O subpelo é curto, macio e fechado. A pelagem aberta é um defeito grave.

 

COR: Branco.

TAMANHO: Altura na cernelha de aproximadamente 28 cm.

  • FALTAS 

Qualquer desvio em relação a este padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão. 

FALTAS DESQUALIFICANTES

 

• Agressividade ou timidez excessiva.

• Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

• Cães atípicos.

Reconhecimento Internacional:

Entidade sem fins lucrativos

CNPJ 26.249.262/0001-88

  • Grey Facebook Icon
  • Veja

Patrocinadores:

centralotima.png